SELECIONE UM ORIXÁ

Euá

É considerada no culto como filha ou irmã gêmea de Nanã, enquanto Nanã é a chuva transformada com terra em lama, Euá é a chuva clara que cai do céu, o lado branco do arco-íris. Ligada aos rios e marés, águas calmas e claras. Rege as transformações e a alegria, semelhantes à leveza das nuvens e da chuva. Euá, como a lua, tem um reino cheio de imprevistos e miragens. Senhora dos disfarces, das artes, da música e da poesia. A mãe protetora dos artistas. Dona do rio e da lagoa.

O QUE ESSE ORIXÁ FEZ, FOI?

Orixá Aiabá muito arisca e de culto raro. Atributos ou conceitos de Oiá e de Oxum estão contidos em Euá: Transformação, caça, guerra, feminilidade, disfarce, poder, pioneirismo, praticidade e beleza. Euá só se mostra para quem ela quer e quando bem entende. E assim procede, por que seu humor não é dos melhores. Algumas lendas, retratam Euá como uma mulher correta, vistosa e bastante bela, que detesta fuxicos e que falem alto perto de seus assentos. Não suporta ouvir palavras de baixo-calão ou ditos ofensivos. Protege as donzelas e mulheres que não conseguem engravidar. Embora em determinadas lendas é casada e mãe de filhos, ela é considerada como orixá da castidade, amante da solidão e do silêncio. Envaidece ao olhar seu belo reflexo nas águas dos rios onde mora, mas não admite ser tocada por homem algum. Euá é vingativa e ressentida. Suas explosões são sem retorno, quando enfurecida. Senhora das poções e venenos. Nas matas Euá confunde os invasores e caçadores com sons de pássaros, gargalhadas e chocalhos de cascavéis. Cria cheiro de fumaça que não existe. Por isso, o principal pedido que se faz a Euá, em época de grande necessidade, é de que sejamos invisível para os inimigos, que desapareçamos perante olhos e ouvidos dos nossos desafetos. Euá ensina o homem a arte de tornar idêntico o que na realidade é semelhante: idêntico é ilusão. E ela é senhora das ilusões. Euá se transforma em galinha que espalha sementes pela terra por perceber que o pé de galinha propiciaria a tarefa de arar a terra. Senhora das artes, das possibilidades, da sensibilidade, da solidão, e do desapego mundano. Jamais come galinha, nem pimenta-da-costa. Suas obrigações são sempre arriadas por mulheres, jamais por homem. Olodumarê - Olórum , encarregou sua filha Euá de ser a senhora da sabedoria e visão.

Desenvolvido por